Carrapato-estrela é o responsável por transmitir a febre maculosa — Foto: CDC/ Dr. Christopher Paddock/ James Gathany

Americana (SP) confirmou, nesta quarta-feira (24), a terceira morte por febre maculosa no município neste ano de 2020. A vítima era um homem de 52 anos, morador da Vila Dainese. Segundo a prefeitura, o provável local da infecção foi uma região de chácaras, em Capivari (SP).

Em maio, duas mortes pela doença haviam sido confirmadas na cidade. As vítimas eram dois homens, de 38 e 56 anos, residentes dos bairros Boer e Chácara Letônia, respectivamente. Segundo a Vigilância Epidemiológica, as áreas de infecção foram a Fazenda Angélica e as margens da represa Areia Branca, em Santa Bárbara D’Oeste (SP).

Dos quatro casos notificados pela Vigilância Epidemiológica neste ano, três vieram a óbito e o outro foi descartado.

Com os casos positivos, a Secretaria de Saúde emitiu um alerta para que a população evite áreas consideradas de risco segundo o Programa de Vigilância e Controle de Carrapatos e Escorpiões (veja lista baixo). De acordo com a Prefeitura, caso seja necessário estar em algum desses locais, é importante tomar os seguintes cuidados:

  • Utilizar roupas claras porque facilitam a visualização dos carrapatos;
  • Colocar a barra das calças dentro das meias e calçar botas de cano alto;
  • Examinar o corpo cuidadosamente a cada três horas pelo menos, porque esses carrapatos transmitem a bactéria causadora da Febre Maculosa depois de algumas horas após a picada na pele;
  • Tenha cuidado ao retirar o carrapato que estiver grudado à pele, fazendo-o mediante uma leve torção.

“Se em um período de dois a 14 dias após frequentar estes locais, o indivíduo apresentar febre alta, dores no corpo, dores de cabeça, calafrios e manchas avermelhadas na pele, deve procurar imediatamente o serviço de saúde e, no momento da consulta, informar ao médico sobre o contato com carrapatos”, afirmou a pasta em nota.

Áreas de risco delimitadas pelo PVCE em Americana

  • Área da Carioba: Pesqueiros do Rio Piracicaba, próximos ao parque têxtil da Rua Carioba.
  • Área da Casa de Cultura Herman Müller: Mata ciliar adjacente ao Ribeirão Quilombo.
  • Área do Rio Jaguari: Região pós-represa do Salto Grande (chácaras nas proximidades da Colônia Agrícola do Sobrado Velho).
  • Área do Museu Histórico: Pesqueiros na confluência dos rios Atibaia e Jaguari.
  • Área do Assentamento Milton Santos: Matas ciliares do Rio Jaguari e Córrego Jacutinga
  • Área da ponte do Rio Piracicaba, sobre a Rodovia Anhanguera: Pesqueiros locais
  • Área do Rio Piracicaba: Pesqueiros nas proximidades do Centro de Detenção Provisória de Americana (CDP).
  • Área da represa do Jardim Imperador: Residencial Portal dos Nobres
  • Área da Praia dos Namorados: Orla da Represa do Salto Grande
  • Área do Bairro Mirandola: Pastos e matas periféricas
  • Área da Praia do Zanaga: Braço da Represa do Salto Grande entre os bairros Antônio Zanaga e Vale das Nogueiras.
  • Área da Usina da CPFL: Represa do Salto Grande.
  • Área do Ribeirão Quilombo: Toda a extensão.
  • Área verde do Parque Nova Carioba: Mata ciliar do córrego Bertini.

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

Leia também

Mesmo com pandemia, PAT de Jundiaí recoloca mais de 1,5 mil trabalhadores

O Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT) de Jundiaí, recebe entre 200 a 400 acessos por…