Quer receber as principais Notícias de Salto e região pelo Facebook Messenger? Inscreva-se agora.

Bradesco assume a liderança do ranking, com valor de US$9,4 bilhões. Skol cai para terceiro lugar e Magazine Luiza brilha no varejo com alta de 276%

access_time 5 jun 2019, 15h24 – Publicado em 2 jun 2019, 12h23

São Paulo – As 60 marcas mais valiosas do Brasil somam US$ 69,9 bilhões em 2019, um alta de 11% em relação ao ano passado, segundo a nova edição do ranking BrandZ Brasil, realizado pela WPP e a Kantar.

Desbancando a liderança de seis anos consecutivos da cerveja Skol, o banco Bradesco lidera a lista como a marca mais valiosa do país, com US$ 9,4 bilhões em 2019, um aumento vertiginoso de valor em 35% ante os US$ 7 bilhões de 2018. No segundo lugar do ranking, subindo uma posição, aparece o Itaú, com valor de marca estimado em US$ 8,3 bilhões.

Apesar de despencar duas posições, a Skol se mantém como a cerveja mais valiosa do Brasil, com US$ 7,2 bilhões, uma queda de 12% ante 2018. A variação negativa de valor acompanha outras marcas do setor cervejeiro, como Brahma (-16%), Antarctica (-10), Bohemia (-19%) e Schin (-3%). 

“O consumo de cervejarias artesanais aumentou muito, e elas estão tirando vantagem em percepção de marca. Ambev e Skol perderam um pouco de espaço nesse processo. Além disso, vemos que as mulheres começam a se destacar no mercado de consumo de cerveja, optando por marcas artesanais”, diz ao site EXAME o diretor executivo da Kantar Brasil, Eduardo Tomiya.

O salto do varejo

Além das instituições financeiras, outro setor que puxou a alta da valorização das marcas foi o varejo. Em particular, três empresas brilharam: Magazine Luiza (7º lugar)com crescimento de 276% em valor de marca — maior  incremento entre todas as listadas no Top60;  a rede varejista de moda Renner (9º), que aumentou o valor da sua marca em 132%; e as Lojas Americanas (16º), com alta de 23%.

Para Tomiya, a experiência omnichannel, com integração entre off e online, foi determinante para o sucesso do setor varejista, nos casos do Magazine Luiza e Lojas Americanas. Já para a Renner, melhorar a experiência do consumidor fez toda a diferença: a rede investiu em atendimento em numa nova disposição dos produtos nas lojas, entre outras estratégias.

“No cenário econômico complicado que o Brasil atravessa, com projeção de crescimento do PIB em queda, essas empresas  promoverem novas experiências e se mostraram capazes de se reinventar. Marcas que reagem mais rápido à crise tendem a se valorizar mais”, avalia o especialista.

A metodologia do ranking das marcas mais valiosas levam em consideração o valor financeiro (dados bolsa e da Bloomberg), além do valor de contribuição de marca: proporção do valor financeiro de uma marca gerado por sua capacidade de aumentar o volume de compra e carregar um premium price (metodologia Kantar).

Veja o ranking completo das 60 marcas mais valiosas do Brasil:

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

Leia também

Escureceu

Crédito da foto: Emidio Marques / Arquivo JCS (19/8/2019) A semana que termina foi marcada…