Analisando apenas o mês de outubro 2021 aqui em nossa região, veremos que Cabreúva apresentou um saldo positivo de 50 novos empregos no mês, isso levando-se em conta novas admissões contra demissões no período. Nossa vizinha Indaiatuba, também apresentou um saldo positivo de 544 novos postos de trabalho (foram 3579 admissões contra 3035 desligamentos), com 78 mil trabalhadores em atividade com carteira assinada. Em Itu, o saldo positivo foi de 195 novos empregos com 2165 novas admissões contra 1970 demissões.

Em Salto, os números não seguiram o padrão e tendência das cidades vizinhas. Ficou muito longe disso. Segundo o Caged, as demissões em outubro foram muito maiores do que a criação de novos postos de trabalho. O que é péssimo para a cidade. 1433 demissões contra 1197 admissões. Um saldo negativo de 236 postos de trabalho perdidos.

Uma análise crítica desta situação nos aponta que há algo errado. Culpar apenas a pandemia pelo cenário não cabe mais, visto que nenhuma outra cidade da região apresentou estes números, então, logo, a questão é interna. E precisa ser corrigida logo.

Isso pode não mostrar nada como pode mostrar tudo. Colocar como desculpa a estagnação econômica gerada pela pandemia não é aceitável, pois isso também ocorreu nas cidades vizinhas. Uma fonte ligada à administração municipal de Salto, disse ao TERRATAVARES, que o setor responsável por essa queda foi o de “Serviços” e concluiu: “com a substituição da Organização Social (O.S.) que fazia a gestão do Hospital Municipal Nossa Senhora do Monte Serrat, todos os funcionários foram demitidos e nem todos recontratados pela nova gestora”.

O que mais preocupa é o cenário do ano de 2021. O CAGED informa mensalmente o que ele chama de estoque, a quantidade de empregos na cidade com carteira assinada. Terminamos 2020 com 31.417 postos de trabalho na cidade e agora retrocedemos e temos 31.186.

Conversando com um empreendedor imobiliário, este disse ao TERRATAVARES: “em uma cidade onde o fornecimento de energia elétrica, atualmente, é inconstante; onde não há uma certeza de fornecimento regular de água; onde não existe uma política definida para atração de novas indústrias; esperar um resultado diferente do que o mostrado no Cadeg (outubro 2021) é utopia”.

Para ser a bola da vez (como cantado em prosa e verso num passado não tanto distante) é necessário de uma vez por todas colocar a bola em jogo. Estamos colhendo frutos da falta de planejamento dos últimos 10 anos (incluindo nisso os últimos 10 meses de 2021).

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Geração de energia a partir do lixo: uma idéia para nossa cidade

Lixo normalmente é sinônimo de algo que se joga fora, algo desprezível. Mas como “jo…