As escolas da rede estadual de ensino em Salto passarão a contar, a partir deste mês com contêineres soterrados para descarte de material reciclável. A exemplo do projeto desenvolvido “Coleta Diferenciada nas Escolas” na rede municipal, 11 escolas estaduais e o Centro de Educação e Cultura “Anselmo Duarte”, receberão os contêineres.
O projeto desenvolvido pela Prefeitura de Salto através da parceria público-privada com a CSO Ambiental, busca a conscientização dos alunos, professores e comunidade, sobre a importância do descarte correto de resíduos, seja reciclável ou orgânico.
Dentre as ações desenvolvidas neste ano, assim como aconteceu no ano passado, terá o descarte de material orgânico (merenda) em contêiner de 120 litros, a ser destinado como adubo para jardins de praças e áreas públicas, arrecadação de material reciclado por meio do contêiner soterrado, que também atende a comunidade do bairro por meio do Ponto de Entrega Voluntária (PEV), arrecadamento de pilhas, baterias e óleo de cozinha usado.
As escolas: Prof.ª Maria Tereza Guimarães de Ângelo, Profª. Otília de Paula Leite, Profa. Benedita de Rezende, Profª. Iracema Pinheiro Franco, Profª. Leonor Fernandes Silva, Profª. Maria de Lourdes Moraes Costela, Prof. Joseano Costa Pinto, Prof. José Benedito Gonçalves, Prof. Claudio Ribeiro, Escola Padre Francisco Rigolin, Profª. Mirinha Tonello e nas unidades municipais Cemus IX – Santa Efigênia (João Batista Ferrari), Cemus IV – Vila Ideal (Amália Zuim Garavello) e também no Centro de Educação e Cultura Anselmo Duarte (CEC). As demais escolas estaduais Profª. Dolores Antunes da Silva, Profª. Irmã Maria Nazarena Correa, Prof. Acylino Amaral Gurgel e Prof.ª Paula Santos, receberão os contêineres azuis, com capacidade de 1 mil litros, para o descarte de resíduos de recicláveis.
Com o início do ano letivo, a CSO Ambiental, em conjunto com as equipes escolares realiza a capacitação dos professores e gestores nos horários de reunião pedagógica para conversar sobre o funcionamento do Ponto de Entrega Voluntária (PEV) com a participação da comunidade do entorno; rotulação das lixeiras internas existentes; Sensibilização dos alunos em sala de aula com entrega de folder de divulgação; Capacitação dos colaboradores da escola e visita de avaliação periódica para acompanhamento.
“Essa primeira parte do projeto tem como objetivo a preparação do espaço, das equipes para atender o projeto com 100% da capacidade oferecida e aproveita-lo em sua totalidade”, disse o Prefeito de Salto, Geraldo Garcia. Que mostra grande satisfação em expandir esse projeto às escolas estaduais, mais a inclusão de duas novas unidades municipais.
A implantação dos contêineres teve início em 2018, em 16 unidades educacionais municipais e no primeiro ano de atuação, arrecadou 48,5 toneladas de material reciclável de alta qualidade, 16,5 toneladas de resíduo orgânico para compostagem; 8 toneladas de composto orgânico retornados para uso no município, como forma de adubo nas praças e áreas públicas do município e ao total foram atendidos diariamente 2988 alunos e envolveu 448 colaboradores escolares e comunidade.
“Esses dados só mostram a importância que o projeto tem e a abrangência educacional, social e ambiental que proporcionam a população. Além disso, a comunidade escolar pode conhecer o processo de descarte e envolver os moradores, proporcionando mais qualidade de vida a todos e dando maior rentabilidade aos aterros sanitários da cidade”, garante o secretário do Meio Ambiente, Ângelo César Turqui Piva.

Compartilhe esta notícia:






Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

Leia também

Leme é reeleito para mais um mandato à frente da SISMI

Sindicalista é presidente da instituição há 26 anos O atual presidente do SISMI (Sindicato…