SÃO PAULO – A Justiça do Trabalho determinou que o Metrô de São Paulo afaste das atividades presenciais todos os funcionários e trabalhadores terceirizados que estão no grupo de risco do novo coronavírus. A decisão também exige o fornecimento de álcool gel e máscaras a todos os funcionários e terceirizados durante o expediente. Em caso de descumprimento, está previsto o pagamento de uma multa diária de R$ 50 mil para cada um dos dois itens determinados.

Na decisão, a desembargadora Sonia Maria de Oliveira Prince Rodrigues Franzini ressaltou que os funcionários estariam em risco ao continuar trabalhando em meio a aglomerações e sem os itens de proteção necessários. O grupo de risco abrange idosos e pessoas com hipertensão, problemas cardíacos, asma e doenças renais, dentre outros.

A ação foi aberta no Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Divisão (TRT2) pelo Sindicato dos Metroviários, o qual ressaltou que funcionários do setor têm contato com centenas de pessoas durante o expediente, além de manusear constantemente documentos, objetos e dinheiro.

Segundo o sindicato, o Metrô havia condicionado o afastamento dos trabalhadores idosos à aprovação da chefia imediata, o que poderia gerar demora na liberação do funcionário.

Veja também:

Coronavírus: o que é uma pandemia e por que o atual surto ainda não é uma

Estadão

  • separator
  • 0
  • comentários

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

Leia também

Setor cultural de Itu se prepara para a retomada

Exposição “Ontologias”, de Marcos Amaro, Cabral e Kandro, é uma das atrações da volta do M…