Na Itália, número de mortos cai, mas o de novos casos de Covid-19 dispara

Na Itália, número de mortos cai, mas o de novos casos de Covid-19 dispara

A Itália registrou um novo salto no número de casos. Mais de três mil e quinhentos em vinte e quatro horas.

O sábado (14) começou com uma notícia preocupante: muitos italianos pegaram trens noturnos do Norte, a região mais atingida pelo novo coronavírus, para o Sul do país. As autoridades temem um novo foco de infecção e, horas depois, o governo proibiu os trens noturnos.

A falta de leitos de terapia intensiva na Lombardia continua sendo o grande obstáculo para salvar mais vidas. Em todo o país, mais de 1.500 pessoas estão na UTI por causa da Covid-19.

A Força Aérea italiana está ajudando a transferir pacientes para regiões com mais vagas. O número de mortos caiu em relação à véspera, mas o número de casos novos deu um salto: quase 3.500 de um dia para o outro. Roma se prepara para um possível foco.

Na segunda-feira (16) começa a funcionar uma nova ala de terapia intensiva num hospital da capital italiana, construída em ritmo acelerado. O chefe da Defesa Civil avisa mais uma vez que faltam máscaras para os profissionais de saúde.

Os médicos chineses, os primeiros a dedicar a vida aos doentes do novo coronavírus, que chegaram na sexta-feira (13) a Roma para ajudar a combater a pandemia, elogiaram o trabalho dos italianos. Com a experiência de quem já cuidou de milhares de contaminados, os chineses destacaram a importância da rapidez no diagnóstico e do cumprimento das orientações de isolamento. Mas observaram que ainda há muita gente nas ruas da Itália.

O reconhecimento também veio do povo fechado em casa. Ao meio-dia, os italianos voltaram às janelas e varandas, em todo o país. Todos juntos aplaudiram os médicos e enfermeiros pelo esforço incansável.

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

Leia também

Depois de mais de 220 dias fechado, Cine Plaza Itu reabre nesta sexta-feira

Salas serão reabertas após mais de 220 dias (Foto: Arquivo) Depois de mais de 220 dias fec…