O próximo sábado (18) será o último dia de aula do primeiro semestre letivo de 2020 para a maioria dos alunos de graduação da Universidade de São Paulo (USP). Esse foi um período de desafios e aprendizagem tanto para estudantes quanto para os professores, já que as atividades presenciais estão suspensas desde 17 de março, em função da pandemia de COVID-19, e as aulas passaram a ser ministradas de forma remota.

“A Pró-Reitoria de Graduação já contava com duas plataformas de apoio ao ensino a distância: o e-Aulas e o e-Disciplinas. Mas, com a suspensão das aulas presenciais, essas ferramentas passaram a ser imprescindíveis para o ensino de graduação e se mostraram bastante eficientes em todo esse processo. Sem esse trabalho anterior que já vinha sendo desenvolvido com as duas plataformas, teríamos muita dificuldade para ter oferecido o ensino de forma remota”, avalia o pró-reitor de Graduação, Edmund Chada Baracat, ao Jornal da USP.

“Os levantamentos parciais realizados pelas unidades de ensino e pesquisa não apontaram dificuldades significativas em relação ao modelo de ensino a distância. A transição do ensino presencial para o remoto que vivenciamos agora em 2020, de maneira rápida e sem sobressaltos, foi possível devido a um longo trabalho iniciado em 2016 pela Pró-Reitoria de Graduação, por meio da Comissão de Acompanhamento e Atualização do Ambiente Virtual de Aprendizagem”, salienta ao Jornal da USP o vice-reitor da universidade, Antonio Carlos Hernandes.

Ambiente online

Das quase seis mil disciplinas teóricas de graduação que seriam oferecidas presencialmente no primeiro semestre, em todas as áreas do conhecimento, 92% foram ministradas online.

De março até junho, 4.483 novas videoaulas foram cadastradas no e-Aulas, contabilizando quase 10 mil videoaulas disponíveis aos estudantes, incluídas nesse número as aulas de graduação, pós-graduação, cultura e extensão e as voltadas ao ensino médio. Outro dado que chama a atenção é o número de visualizações das videoaulas: em junho, esse número chegou a quase 16 milhões. A média dos três primeiros meses do ano foi de 500 mil visualizações.

No caso do e-Disciplinas, o levantamento feito junto à plataforma mostra que, atualmente, há 3.321 disciplinas com ambiente de apoio no e-Disciplinas e 240 mil matrículas. Além disso, o sistema registra cerca de 40 mil acessos por dia de 25 mil usuários diferentes. No primeiro semestre deste ano, a plataforma teve mais de 4,3 milhões de acessos.

“As diretrizes que foram pensadas e ainda estão em prática contemplam de forma harmônica a avaliação de aprendizagem. Esse processo não é feito exclusivamente por meio de provas. O uso de metodologias ativas em grande parte das disciplinas teóricas permite avaliações contínuas”, considera o vice-reitor.

De acordo com o calendário acadêmico, as aulas do segundo semestre para a maioria das Unidades de Ensino e Pesquisa serão retomadas no dia 17 de agosto. As atividades práticas de 2020 deverão ser repostas no período de janeiro a março do próximo ano. “É importante destacar que esse calendário poderá ser revisto no momento em que a situação epidemiológica for favorável”, ressalta Baracat.

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

Leia também

ONG João de Barro abre 185 vagas para cursos profissionalizantes

As inscrições podem ser feitas presencialmente na sede da ONG João de Barro A ONG João de …