Quer receber as principais Notícias de Salto e região pelo Facebook Messenger? Inscreva-se agora.
Em meio à crise hídrica, com a falta de água, sorocabanos reclamam também do aumento de mais de 50% no valor da conta
Alta na conta de água motiva reclamações
Evanir diz que foi surpreendida com o valor cobrado no mês. Crédito da foto: Emidio Marques (18/10/2019)

Em meio à crise hídrica, com muitos sorocabanos sofrendo com a falta de água, alguns reclamam também do aumento de mais de 50% no valor das contas recebidas em outubro, mesmo sem elevar o consumo. A aposentada Evanir Aparecida de Aquino, 71, moradora da Via Santana, conta que nos últimos dias, após as 22h, não chega água em sua casa e a conta que recebeu na última quinta-feira foi motivo de susto. “Eu sempre pago no máximo R$ 31 e dessa vez veio R$ 52, mesmo com um serviço precário”, reclama.

Evanir contou que quando se deparou com a conta fez questão de conferir o consumo, que não foi maior que o mês anterior. “Aqui em casa a gente economiza muito e outros vizinhos também reclamaram dessa cobrança maior sem motivo”, disse.

Leia mais  Suspensa licitação para instalar ‘radar inteligente’ em semáforos de Sorocaba

Ela contou que o marido foi até o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) ontem e lá foi informado que seu hidrômetro precisaria ser trocado. “Foi trocado há menos de dez anos e já é do modelo mais novo. Depois falaram que pode ter sido erro de leitura”, contou. A resolução apresentada pela autarquia foi a substituição da conta antiga por uma nova, no valor que Evanir costuma pagar, de R$ 31.

Uma situação parecida ocorre com a filha de Evanir, a psicóloga Sílvia Maria de Aquino, 37, que reside no Jardim Dois Corações. As últimas contas de água estão aumentando gradativamente e a última quase dobrou, mas sem elevar o consumo. A cobrança de agosto era de R$ 59. Passou para R$ 79 em setembro e para R$ 95 em outubro. “Se não tem água na torneira, como vamos gastar mais?”

Leia mais  Grupo Esparrama apresenta o infantil ‘Fim?’ no Teatro Municipal

Sobre a situação relatada por Sílvia, o Saae afirma que “as contas tiveram aumento de valor em consequência do aumento de consumo, que de junho foi de 15 m³ e as demais estão na faixa de consumo que o imóvel sempre paga, entre 18 m³ e 21 m³”. O Saae orienta que aqueles que discordam da conta devem ir até a central de atendimento, no bairro Santa Rosália, ou uma das cinco Casas do Cidadão. (Larissa Pessoa)

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Região

Deixe uma resposta

Leia também

Falta de acesso ao novo Hospital Regional oferece perigo a pedestres e motoristas

Pacientes e acompanhantes precisam se arriscar na travessia da rodovia Raposo Tavares porq…