Bebê que teve Covid e desenvolveu síndromes raras completa três meses e faz acompanhamento médico — Foto: Arquivo Pessoal

Quando Luís Miguel Fraga completou dois meses de vida, ele ainda estava na UTI neonatal de um hospital particular em Indaiatuba (SP), em tratamento de Covid-19. Agora, ao completar três meses nesta quarta-feira (21), ele se recupera em casa, em Salto (SP), e já apresenta melhoras.

O bebê ficou 25 dias internado e desenvolveu as síndromes Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) e de Kawasaki. Ambas são consideradas raras e associadas ao coronavírus. Ele recebeu alta do hospital no dia 7 de abril.

Ao G1, a mãe do bebê, Mical Fernanda Nascimento Fraga, contou que o filho está se recuperando bem. A medicação para hipertensão foi reduzida, porém, ainda não há previsão para que ele pare de fazer o uso de alguns remédios.

“Nesse primeiro ano de vida dele, a gente vai ter que acompanhar como será. Logo que ele saiu do hospital, estava muito agitado, mas está bem mais tranquilo. Uma coisa que eu percebi é que, no hospital, ele já não estava mais sorrindo. Agora, em casa, ele está até mais sorridente.”

Bebê recebeu alta após passar mais de 20 dias internado com Covid-19 — Foto: Arquivo pessoal

Luís Miguel está fazendo acompanhamento médico com cardiologista, pneumologista, pediatra e também com um fisioterapeuta por causa do pulmão.

O nome “Luís” é de origem germânica e significa “ilustre guerreiro”, algo que, segundo a mãe dele, faz parte da história do pequeno.

“A parte neurológica a gente percebe que está tudo bem, que era uma preocupação minha no hospital. Agora ele já acorda, ele dá aquele sorrisão e me tranquiliza muito. O que aconteceu com o Luís Miguel trouxe um pouco mais de esperança de que Deus possa intervir.”

Mical e o filho Luís testaram positivo para a Covid-19 — Foto: Arquivo pessoal

Internação

No último dia 13 de março, Luís Miguel começou a apresentar sinais de febre e estava dormindo além do normal. De imediato, a família o levou ao hospital, onde o pequeno passou por exames. Assim que recebeu o diagnóstico, ele foi encaminhado para internação.

Além das síndromes, ele também sofreu diversas complicações durante a internação, como hipertensão, taquicardia, derrame pericárdio e miocardite.

O bebê ficou internado em um hospital particular de Indaiatuba. Além de Luís, Mical, a sua irmã e a sua mãe também testaram positivo para o coronavírus.

Três dias depois, Luís começou a ter taquicardia e as complicações se agravaram. Depois de 25 dias, o bebê recebeu alta. A equipe médica fez um “corredor de aplausos” na saída do pequeno Luís Miguel (assista abaixo).

Bebê recebe alta após passar 25 dias internado com Covid-19: ‘Um milagre’, diz mãe

Bebê recebe alta após passar 25 dias internado com Covid-19: ‘Um milagre’, diz mãe

Síndromes raras

A Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) pode se desenvolver em pessoas de zero a 19 anos que tiveram Covid-19 previamente e que, inclusive, já estão curadas da doença.

O primeiro critério para avaliação dessa síndrome é que o paciente tenha tido Covid-19 previamente. Entre os sintomas, estão:

  • Febre;
  • Conjuntivite;
  • Manchas vermelhas no corpo;
  • Problemas gastrointestinais;
  • Dor abdominal;
  • Vômitos;
  • Inchaço nas articulações;
  • Tosse;
  • Falta de ar.

Já a Síndrome de Kawasaki é considerada uma condição rara, que afeta principalmente crianças menores de cinco anos. Os sintomas típicos são erupção cutânea, glândulas inchadas no pescoço e lábios secos e rachados.

A Prefeitura de Salto informou que não há outros registros de crianças que desenvolveram essas síndromes Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) e de Kawasaki no município. A Vigilância Epidemiológica está em contato com a família e estuda o caso.

Já a Secretaria Estadual de Saúde disse que, até o dia 20 de março, 147 casos e 11 óbitos de Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) foram registrados no estado de São Paulo.

Do total, 35 casos foram confirmados neste ano. A faixa etária de zero a menores de 10 anos responde por 72% dos casos e 36% dos óbitos. O restante refere-se a crianças e jovens de 10 até 19 anos.

VÍDEOS: veja as reportagens do Bom Dia Cidade e do TEM Notícias

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Leia também

Informal 12/05/21

Por André [email protected] Folk do Pântano O músico Murillo Augustus …