Quer receber as principais Notícias de Salto e região pelo Facebook Messenger? Inscreva-se agora.

Estima-se que em menos de 50 anos eles desaparecerão completamente. E tudo por causa do homem.

Existem países no mundo que têm animais realmente belos. No entanto, em vez de cuidar deles – como deveriam – eles os caçam a ponto de fazer as espécies desaparecerem para sempre e sem nenhum remorso.

Isso está acontecendo com os botos cor-de-rosa da Amazônia , que hoje estão em total perigo de extinção e, segundo dados da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN), podem desaparecer em menos de 50 anos.

Com isso, fazem uma convocação internacional para que os governos dos países da região priorizem dentro de suas agendas a conservação dos golfinhos fluviais e criem estratégias para proteger o patrimônio natural que representam.

Acontece que esses animais estão ameaçados pela poluição do seu habitat, pela construção de represas e pela caça indiscriminada por pescadores que os matam para usar sua carne e gordura como isca para a piracatinga, um tipo de peixe que é altamente exigido comercialmente.

Eles rasgam sua carne e deixam os pedaços em uma gaiola de madeira que eles mergulham e usam para atrair peixes , que se alimentam de carne em decomposição.

No entanto, ainda pode haver esperança para esta espécie. A algum tempo não se via um bebê boto, mas um foi avistado e a notícia que eles estão se reproduzindo é muito boa.

Além disso, esta espécie única de cetáceos é essencial para os ecossistemas de seus habitats, como as bacias amazônicas, o rio Orinoco e a parte superior do rio Madeira, servem como controle para a população de piranhas e outros peixes que poderiam se tornar uma ameaça se não tivesse um controle natural. – Texto originalmente publicado no UPSOCL, livremente traduzido e adaptado pela equipe da Revista Saber Viver Mais

Artigos relacionados
Carregar mais por - redação
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

Leia também

Venda de sanduíche neste sábado vai para o Gpaci

O hospital atende a cerca de 300 crianças e adolescentes Acontece mais uma edição do McDia…